Olá, pessoal!

Nesta conversa vamos falar sobre as fábulas. Vocês sabem o que são?
Se sabem, muito bem... Se não, com certeza já ouviram falar, não é mesmo?

As Fábulas são narrativas que têm como personagens animais, objetos, forças da natureza ou elementos do reino vegetal e mineral que falam, pensam e sentem como os seres humanos. O intuito desse gênero textual é transmitir um valor, uma moral, um modelo de comportamento, ou até mesmo uma lição de vida para seus expectadores.

Desta maneira, essas pequenas histórias configuram-se como importantes suportes para trabalhar não somente virtudes humanas junto as crianças, como também as diferentes linguagens que fazem parte do repertório infantil.

Para que vocês possam compreender melhor o que é uma fábula, vou resumir a seguir uma fábula clássica que se chama “O leão e o rato”. Vamos lá?

“Certo dia, o leão estava dormindo debaixo de uma árvore, quando, de repente, um ratinho começou a passear por suas costas. O leão acordou e muito bravo pegou o ratinho com suas garras com a pretensão de devorá-lo. O ratinho suplicou-lhe perdão, dizendo que talvez um dia poderia ajudá-lo, caso o bravo animal o soltasse. O leão começou a rir, pois pensou ser impossível uma criatura tão pequena ser capaz de ajudar o rei da selva. Riu tanto que acabou soltando o ratinho. O tempo passou e o leão foi capturado por uma forte rede deixada por caçadores. Ele tentou repetidamente se soltar mas não conseguiu. O ratinho apareceu e, logo que o viu naquela situação, roeu as cordas com seus dentes afiados, libertando assim o leão. Daquele dia em diante os dois se tornaram grandes amigos.
Moral: Nenhum ato de bondade deve ser desperdiçado. Pequenos amigos podem se mostrar grandes.”

Como podemos observar, a fábula é diferente, por exemplo, do clássico infantil “Os Três Porquinhos”, pois este último não traz uma moral, embora possamos discutir e refletir sobre a história com as crianças. Já “O leão e o rato” traz uma moral, um ensinamento que faz parte do nosso cotidiano. Nesta fábula é possível inferir que: não importa o tamanho que você tenha, o seu status social ou o seu emprego, pois cada um de nós possui o seu valor e as suas capacidades, e é por isso que temos condições de ajudar uns aos outros.

A partir dessa fábula, podemos ainda explicar às nossas crianças que ela pode ser muito habilidosa com os cálculos, enquanto um colega pode ser melhor na leitura e na escrita, e que ambos podem se ajudar pois possuem talentos importantes, porém, diferentes. Afinal, nenhum de nós é igual e isso é muito saudável e natural.

Assim, além de levarem as crianças ao mundo do “faz de conta”, as fábulas são excelentes para a reflexão e para o confronto de ideias e, dentro desta perspectiva, são capazes de contribuir para o desenvolvimento das diferentes linguagens por parte da criança. Vejamos: estimulamos a linguagem oral e escrita quando lemos a narrativa; a linguagem artística ao analisarmos as imagens, a linguagem cultural com ampliação da maneira como enxergamos o mundo a partir do conteúdo da história, entre outros.

E, apesar de ser um gênero textual bastante antigo, pois muitas delas foram criadas por Esopo, um escravo grego que viveu no século VI antes de Cristo, as fábulas nunca perdem seu valor dentro da literatura infantil. Pelo contrário, a cada dia ganham mais e mais espaços na vida cotidiana de nossas crianças, uma vez que tratam de temas relativos ao comportamento, à ética e à política, convidando os leitores a pensarem sobre as atitudes dos personagens por meio de seus próprios princípios.

E então, gostaram da nossa conversa a respeito das fábulas?

Experimente contar uma fábula para uma criança e, depois, converse com ela sobre a moral da narrativa! Tenho certeza que será uma experiência muito interessante para você e para ela!

E que tal uma dica?

A editora Bom Bom Books possui uma Coleção chamada “As incríveis Fábulas de Esopo”. Lá vocês vão encontrar, além de “O leão e o rato”, outros títulos clássicos como A lebre e a tartaruga; A raposa e as uvas; O menino e o lobo e muito mais.

Boa leitura!

Até a próxima!
Janayna.

 

Referências:
- BREJO, J.A. O professor, a criança e o trabalho com as parlendas na educação infantil. In: Caligiorne, Darsoni de Oliveira. (Org.). Pesquisa, Extensão e Conhecimento: diálogos possíveis. 1ed.Curitiba: CRV, 2017, v. 1, p. 99-110.
- CHAND, Nandika. O leão e o rato. Tradução de Rita Lisboa. Belo Horizonte: Cedic, 2013. (Coleção As Incríveis Fábulas de Esopo).
- GREGORIN FILHO, José Nicolau. Concepção de infância e literatura infantil. Linha d'Agua, v. único, p. 107-113, 2009.

Postagem anterior Postagem seguinte