Assuma o comando da sua vida como piloto e não como um mero passageiro que “deixa a vida te levar”.

Olá pessoal!

            Hoje gostaria de conversar com vocês a respeito de algumas frases que tenho ouvido com frequência nesses tempos de pandemia:

- Esse ano as aulas presencias não voltam mais!

- O mundo vai acabar!

- Esse ano de 2020 está perdido!

            Escrevo sobre isso porque ouvir frases como essas tem me levado a refletir bastante... E direi à vocês o porquê: sou mãe, sou esposa, sou filha, sou professora e também uma apaixonada pela literatura, sobretudo pela Literatura Infantil e Juvenil... Por tudo isso eu me questiono: alguém como eu pode acreditar ou concordar que 2020 é um ano perdido, que o mundo vai acabar ou que as aulas presenciais não voltarão?

Como acredito que a literatura é capaz de nos trazer esperança, otimismo, alegrias, conhecimentos, e ainda, novas possibilidades de enxergar a vida, não posso crer que, por exemplo, o mundo está acabando, não é mesmo?

            É fato que o isolamento social que muitos de nós está vivenciando, não foi uma opção e por não termos escolhido passar por isso, a impossibilidade de sair de casa livremente, de ver nossos amigos pessoalmente, de abraçar nossos parentes, de ir ao teatro, ao cinema ou simplesmente de sentar em uma lanchonete para tomar um café e depois passear na praça, pode nos trazer um desanimo e uma insegurança quanto à continuidade da vida e até mesmo do nosso planeta...

            Dentro desse contexto, se também encararmos como um “sacrifício” a necessidade de pensarmos na nossa própria saúde e na dos outros: usando máscaras, ficando longe de aglomerações, de lugares fechados ou pouco ventilados e de locais onde a distância mínima de 1,5 metros entre as pessoas não possa ser mantida... Isto é, se cumprir esses “protocolos” se configurarem como martírios para nós, fica fácil “comprar o discurso” de que as aulas presenciais nas escolas e nas universidades não retornam esse ano, uma vez que são locais onde manter o distanciamento pode ser complicado, sendo necessário muito cuidado e planejamento.

            Portanto, se não tivermos a capacidade de pensar para além de nós, o pessimismo poderá realmente tomar conta de nossas mentes e atitudes.

            POR ESSAS “RAZÕES”, É ACEITÁVEL DIZER QUE TEMOS UM ANO PERDIDO?

            Não sei a opinião de vocês, mas quero deixar aqui, se me permitem, a minha opinião para que reflitam, combinado?

            Por saber e acreditar que cada um de nós tem um papel ou, melhor dizendo, uma missão dentro da nossa sociedade... Sejam vocês pessoas solteiras, casadas, pais, mães, avós, alunos, tias... não podemos coadunar com esse discurso. Mesmo porque, o ano de 2020 somente estará perdido para aqueles que não souberem ressignificá-lo.

            Mas como assim ressignificá-lo?

Significa, cada um de nós tomar a iniciativa de olhar para dentro de si e tentar identificar a sua importância, tanto dentro da família como dentro da sociedade... E como amante da literatura, eu digo que um dos caminhos para encontrarmos conosco, para fazermos uma viagem para dentro de nós é a partir da leitura, haja vista que ela é capaz de nos mostrar a vida e o mundo por meio de inúmeros pontos de vista...

            Portanto, busque um livro que te encanta, uma reportagem que te informa, um filme que te inspira, uma música que te acalma, uma poesia que te faz lembrar dos bons momentos...  E, após realizar esse exercício, assuma o comando da sua vida como piloto e não como um mero passageiro que “deixa a vida te levar”.

            Com essa pandemia, precisamos ressignificar nossos pensamentos e nossas ações, dando espaço para a esperança e para o otimismo...

Mas como fazer isso?

O primeiro passo é “jogar fora” as frases com as quais iniciei esse texto, pois na realidade... Quem quer que esse mundão acabe? Que as aulas presenciais não retornem? Que 2020 seja um ano perdido? Nem eu e nem vocês desejam isso, não é mesmo?

            Então, deixemos de lado qualquer pensamento negativo ou improdutivo e sigamos juntos, cada um fazendo a sua parte... Portanto, convido vocês a jogarem fora o “rascunho” que fizeram do ano de 2020 e “passando-o a limpo”, a partir de novos pensamentos e de novas atitudes. E... isso inclui olharmos para dentro de nós, com o propósito de visualizarmos as coisas maravilhosas que ainda estão por vir...

O MUNDO NÃO PAROU!

Estamos nos movimentando e vivendo em nossas casas, em nossos trabalhos, em nossos encontros online... Estamos aprendendo com tudo isso, nos aprimorando e reescrevendo um 2020 que marcará nossas vidas e nossas histórias enquanto seres humanos!

            Os momentos difíceis que vivemos hoje na pandemia precisam ser a “mola propulsora” para nos tornarmos melhores: mais fortes e mais corajosos como nos mostram os contos de fadas, as fábulas e tantas outras histórias que estão na nossa memória e que fazem parte da nossa história, e além disso, mais sensíveis e humanos como o nascer do sol que ocorre todas as manhãs, ou como a lua que surge no céu iluminando as noites estreladas...

Um afetuoso abraço com desejos de otimismo e esperança!

Fiquem bem!

Janayna.

 

 

 

 

Postagem anterior Postagem seguinte

7 comentários

  • YVwuTNqCzQ

  • ABuRmhlwZazfsW

  • yCnDrPgBwpdGhAl

  • mojHkXgApD

  • Olá Tânia e Juliana, agradeço imensamente as palavras de vocês. Fico feliz que o texto tenha despertado essa reflexão, pois em época de pandemia precisamos ser otimistas para que consigamos “seguir adiante” um dia de cada vez… e com a esperança de que sairemos dessa, melhores como seres humanos. Afinal, esse é o momento em que precisamos estar de mãos dadas acreditando em dias de cura: com mais paz, solidariedade e amor!

Deixe um comentário