“A partir de diferentes narrativas literárias podemos: aguçar a imaginação, instigar a curiosidade, despertar novos saberes, trabalhar emoções, construir valores e, até mesmo, alfabetizar!”

 

Olá, pessoal!

 

Faz tempo que temos conversado sobre a importância da Literatura Infantil, não é mesmo? É por isso que vocês já sabem sobre os inúmeros benefícios que a prática de contar histórias podem trazer para uma criança.
Somente para recordarmos, a partir de diferentes narrativas literárias podemos: aguçar a imaginação, instigar a curiosidade, despertar a construção de novos saberes, trabalhar as emoções, construir valores e muito mais.

Então, hoje nós iremos falar sobre mais um benefício que a leitura de livros de Literatura Infantil pode trazer para nossos (as) pequenos (as). Sim, tem mais um, e se chama alfabetização!

Alfabetização e literatura infantil, uma dupla que casa muito bem!

Embora muitos de nós não sejam professores ou professoras, é importante sabermos que podemos contribuir no processo de alfabetização de nossos sobrinhos, de nossas netas, de nossos filhos, de nossas afilhadas. Isso porque, ao escolhermos de forma responsável uma história para ser lida, oferecendo textos significativos que possibilitem novas experiências infantis, estaremos estimulando as crianças a desenvolverem um contato prazeroso com a leitura.

E, à medida que elas estabelecem uma relação prazerosa com a leitura, certamente estarão mais atentas ao ato de ler e ao local de onde se origina, isto é, ao livro. Conseguirão, assim, perceber que em cada página lida não existem ali somente ilustrações, mas também “tracinhos” que são lidos pelo leitor.
Pouco a pouco, com o avançar da idade e do contanto com as narrativas, nossas crianças vão reconhecendo que aqueles “tracinhos” são letras que formam palavras e que certa quantidade delas constituirá o texto. Nós, adultos, temos uma tendência a pensar que perceber como a escrita está presente em cada página é algo óbvio, mas não é. As crianças notarão isso gradativamente, daí a importância de contarmos muitas, muitas, muitas histórias para elas.

Por isso, digo que a Literatura Infantil “casa” muito bem com a Alfabetização, tendo em vista que crianças mesmo ainda bem pequenininhas, quando possuem contato frequente com as histórias infantis, já conseguem perceber que aquela narrativa está sendo lida. E dessa forma, normalmente, já despertam o interesse pelas letras, pelas palavras, ou seja, pela leitura e pela escrita.
E quem não se admira quando ouve falar que uma criança de apenas quatro ou cinco anos já consegue ler? E, além disso, que ela aprendeu de repente, sem o auxílio direto da escola?
Seria essa criança um fenômeno?

Mas é claro que não. No entanto, podemos dizer que para ela o que não faltou foi estímulo. Certamente, essa criança vive em um ambiente alfabetizador, ou seja, com muitos livros de Literatura Infantil, com várias revistas e com diversos gibis interessantes ao seu alcance. Além de, provavelmente, ter a chance de ouvir diariamente muitas contações de histórias.

Alfabetização: a família também pode ajudar nessa!

Deste modo, o que eu gostaria de ressaltar aqui é que o processo de alfabetização, seja iniciado no ambiente familiar ou na escola, começa pela descoberta da leitura e da escrita pela criança, bem como pelo interesse de nossos (as) pequenos (as) em apreender. Pais, mães, avôs, avós, professores ou professoras, todos nós podemos contribuir. Não é mesmo?

É evidente que a escola é a instituição responsável por alfabetizar as crianças de forma correta e com a metodologia adequada. Porém, não custa darmos o primeiro passo no ambiente familiar. E vocês já sabem como: contando sempre variadas histórias!

O mundo mágico das letras e do letramento

Mas, antes de finalizarmos esse nosso bate-papo, gostaria de amarrar as ideias aqui discutidas e dizer que: se alfabetizar significa ler e escrever, proporcionar o contato com diferentes livros de Literatura Infantil e de ainda com outros gêneros textuais como receitas, parlendas, poesias, mitos e músicas, dará possibilidades para que a criança desperte o seu interesse pelo mundo mágico das letras. Mundo este que compreende, além da alfabetização, o chamado “letramento”, que consiste em darmos a ela a oportunidade de se relacionar com uma infinidade de textos. Assim ela saberá utilizá-los, em um futuro breve, dentro do ambiente social em que vive, tendo condições de compreendê-lo, interpretá-lo e, porque não dizer, reinventá-lo sempre que necessário.

Um grande abraço e até a próxima!

Janayna.

Postagem seguinte